segunda-feira, 19 de março de 2012

Adopção de Crianças por Casais Homossexuais



Mais claro é impossível...
O problema é que o Zé Povinho tem a estranha mania de opinar sobre tudo mas sem ter qualquer fundamentação cientifica comprovada e factual...
Ora, eu também posso ter opiniões pessoais não posso é usa-las como argumentos quando estamos no domínio da realidade e dos factos!!

9 comentários:

João Roque disse...

Claro como a água.´
Nos antípodas dessa besta da Isilda Pegado...

Alex disse...

Não é apenas um preconceito (derivado de um maior), mas uma inconstitucionalidade que só será corrigida quando um ou mais casais lesados na privação de um direito se proponham a processar quem os lesa, na figura do Estado. Ainda que, por inexistência de hierarquia entre leis da constituição, não seja possível ao Tribunal Constitucional uma conclusão sobre a inconstitucionalidade, podem ser advogados os compromissos do Estado às Convenções de direitos humanos por ele subscritas, nomeadamente às da UE da qual faz parte.

Lindo seria ver um pai adoptivo, gay e solteiro, na tragédia humana de se separar de um filho adoptivo de longa data, aquando do seu casamento com um companheiro. O precedente levantaria poeira no meio constitucional e sobretudo no seio da opinião pública, da qual dependem mudanças jurídicas como esta, visto que a comunidade jurídica é uma das maiores discriminadoras da orientação sexual.

sad eyes disse...

Concordo plenamente. Mas não creio que vá acontecer brevemente.

Teté disse...

Concordo absolutamente com o que ela diz. Mas não deixa de ser um falso problema, uma vez que há muito mais gente a querer adoptar do que crianças para adopção, de modo que uma pessoa sozinha também o pode fazer, mas na prática nunca chega a sua vez, uma vez que, por princípio, escolhe-se uma "família" que tenha pai e mãe para a criança. Ora se nem todos estes casais conseguem, muito menos chega aos casais gay ou a pessoas singulares - exceto quando já há uma ligação com a criança, suponho!

Beijocas!

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Para mim a adopção de pessoas por pessoas homossexuais é tão natural quanto o facto de o serem... Apenas não iria tao longe como vais ao falares em "realidade dos factos", já que, do ponto de vista da criança e do seu superior interesse, como se diz em linguagem jurídica, nada está provado sobre a melhor família a ter (pai e mãe, ou pai/pai/ mãe/mãe como se prefira chamar). O crescimento psicoafectivo nestes moldes tem imensos pros e contras de ambos os lados.

Deixo-te um abraço grande, amigo...

ψ Psimento ψ disse...

Eu não vou argumentar Lobinho porque esta minha colega psicóloga já disse tudo que havia para dizer. Está provado cientificamente que não existe diferença no desenvolvimento afectivo, cognitivo, emocional e sexual entre uma criança criada por um casal homossexual e um casal heterossexual. Este é o facto, contra factos, não há argumentos.
O resto enquadra-se no domínio da opinião pessoal.

So disse...

Para mim eh tudo uma questão de evolução... é preciso começarmos a abrir os nossos horizontes, senão não saímos dos sitio...
Esta nossa colega realmente diz tudo...
Se vissem a quantidade de crianças que eu vejo dia a dia a sofrerem com os pais que têm, e a serem institucionalizadas, entregues aos avós, aos tios, a vizinhos até... iam perceber que o que importa eh elas terem alguém que cuide delas e goste delas, ponto final.

um coelho disse...

A forma como a tua colega expõe a questão é fantástica. Já trabalhei em centros com crianças institucionalizas, e o que mais queria era poder levar uma delas para casa e tomar conta dela. Que vida injusta!

Anónimo disse...

Convido a assinar a petição pela legislação da parentalidade por casais do mesmo sexo:

http://www.avaaz.org/po/petition/Legislacao_da_Parentalidade_por_Casais_do_Mesmo_Sexo_em_Portugal/?fMitKbb&pv=9