segunda-feira, 30 de maio de 2011

Os "Básicos" de Portugal

Penso já ter referido esta situação mas o Theo tem sempre o azar de lhe perderem as malas. Como tal, a quando da sua última visita, eu e as Kengas fomos passar uns dias a Amesterdão onde ele se veio encontrar connosco antes de vir para Portugal. Como é hábito lá estava ele, sem os seus pertences e teve de andar uns dias por Amesterdão com as minhas roupas. Aliás, podem ver pelas fotos que além do tamanho não ser o ideal (ele é bastante mais alto que eu), as T-shirts de super-heróis também não lhe assentam particularmente bem. ;)

Quando as malas voltaram uns dias depois, foram basicamente deixadas na recepção e vinham em sério mau estado. Como tal, tendo o Theo 11 advogados na família e mais uns quantos amigos, está a decorrer um processo em tribunal no Brasil a solicitar uma indemnização. Tudo leva a querer que vá ganhar até porque ganhou um anterior nas mesmas condições.
Bem, depois da contextualização passemos ao motivo de relevo para este “post”. Uma vez que presenciamos o sucedido, eu e a So, ficamos encarregues de elaborar uma declaração de testemunhas. Escrevemos tudo pormenorizadamente e fomos a uma notária para ser feito o reconhecimento das assinaturas e que nos informou desde logo que, teríamos de ir também ao consulado brasileiro.

Torci de imediato o nariz porque já lá tinha estado uma vez com o Theo e tinha-os achado francamente incompetentes e antipáticos mas lá fui eu no próprio dia. Cheguei lá por volta das 13h e o senhor da recepção informou-me que já estava fechada a secção de autentificação de documentos e que teria de voltar noutro dia entre as 9:30 e as 10:00. Fiquei logo ???????!! Mas que horário de funcionamento tão VASTO!! Não se cansem tanto por favor…
De qualquer forma, lá me levantei cedo hoje e fui ao local. Cheguei por voltas das 09:50, o senhor da recepção deu-me a senha e aguardei na sala de espera até as 11:20!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Agora vem a verdadeira PEROLA desta história:
Estando com uma barba de mais de uma semana e uma olheiras de que dormiu 3 horas, desloquei-me ao balcão, entreguei a senha e desde logo fui cumprimentado pelo funcionário, que era Português, desta forma:
- ESTA SENHA NÃO É VÁLIDA!!! Não vês que falta aqui a hora e a data??? ESTA SENHA ESTÁ CORTADA!!! NÃO SABES COMO É?? NUNCA VIESTE CÁ????
Se estava com cara de sono a expressão mudou de imediato e fiz uma cara que deveria reflectir o meu pensamento que era “Mas conheces-me de algum lado para me falares assim???” . A vontade que me deu era meter a mão pela frinchinha do vidrinho, agarrar-lhe a gravatinha e puxa-la para que partisse o coquinho contra a vidraça. Mas como pessoas inteligentes são educadas respondi:
-Realmente não sei como é, quem me entregou a senha foi o funcionário da entrada e já estava assim. Não tenho culpa de não executarem os vossos procedimentos correctamente.
Possivelmente notando o meu sotaque português retorquiu de imediato mais calmamente:
-Hmmm tá bem, diga lá o que é que quer.
Entreguei-lhe as declarações onde constavam os meus dados pessoais e onde constava que era licenciado em psicologia e de repente eu já era a melhor pessoa do mundo:
-Ahhh Dr. A., desculpe lá a forma de falar, mas sabe que são muitas horas aqui e uma pessoa perde a paciência, blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá…

Bem, nem sei por onde começar a minha avaliação. Primeiro eram 11:20???? Estava a trabalhar há quantas horas?? 3 se tanto…
Depois, se está sem paciência, mais vale ficar em casa e ceder o lugar a quem tenha o mínimo de ética profissional. Quer dizer, primeiro quando me percepcionava possivelmente como um brasileiro desempregado tratou-me como uma corja social. Depois como era psicólogo e português já era merecedor de respeito????
Há algo de muito podre na mente de certas pessoas…

11 comentários:

Cp disse...

A educação da sociedade portuguesa no seu melhor (pior)... Que se há de fazer?!? Ao menos no final lá o senhor te respeitou, coisa que devia ter feito logo ao inicio...
Quanto ao horário de funcionamento e maneira de funcionar fez me lembrar logo uma secretaria de uma escola que frequentei =D
Se bem que todos os estabelecimentos públicos portugueses funcionam de maneira muito parecida...

Um abraço e vê se descansas! :P

Meia Noite e Um Quarto disse...

fico doente com estas coisas, mas doente!!!! Sim, o Theo vai certamente ganhar, são casos muito comuns, e provando-se a negligência associada à responsabilidade contratual é fácil.
No fundo foste vítima de preconceito...

pinguim disse...

Mas os funcionários do consulado são portugueses ou brasileiros?

ψ Psimento ψ disse...

Cp: Ahhh descansar, isso é que era, mas agora tenho de ir para a faculdade. Se sempre seguires psicologia prepara-te para esquecer o descanso ;)

00:15 Até me vieram os instintos primitivos ao de cima!!

pinguim: Aparentemente é um mix. O da recepção era brasileiro mas o do guiché era português!!

Francisco disse...

Coitado do senhor isso devia era ser falta de alguma coisa ;)

Ainda o que te valeu no final foi a obsessão portuguesa pelos títulos: Dr. Eng. etc.

Abraço :)

KarenB disse...

A propósito do teu post, lembrei-me de uma anedota que me enviaram por e-mail há algum tempo e que deixo aqui. Não é bem a mesma coisa, mas não deixa de ter a sua relação com o que te aconteceu e igualmente demonstrativa daquele modo de ser tão português:

Um homem entrou no BES, foi ao balcão e disse:
-Eu quero abrir a porra duma conta, na merda deste banco, s'faxavor!'
A rapariga do balcão, estupefacta, perguntou:
- O Senhor desculpe, mas acho que não ouvi bem o que disse? Não se importa, de repetir?
- Bem, veja lá se ouve desta vez, caralho! Eu disse, que quero abrir a porra de uma conta, na merda deste banco! Comé?? Demora muito?
Ela pediu licença, e foi contar a desagradável situação ao gerente, que concordou que ela não era obrigada a ouvir tal palavreado.
Dirigiu-se com ela ao balcão, e interpelou o homem:
- O Senhor importa-se de me dizer o que se passa? Há algum problema?
- Foda-se, não há merda de problema nenhum! Eu é que ganhei 75 milhões no Euromilhões e quero abrir a porra duma conta, na merda deste banco!
- Ah! Percebo perfeitamente... e esta puta está a complicar as coisas ao Senhor Doutor, não é verdade?


P.S. Desculpa os palavrões, mas sem eles não era a mesma coisa, lol.

Beijinhos ;)

Teté disse...

Ahahah, desculpa, estou a rir da anedota da Karen, não do modo como foste tratado. E é isso aí mesmo, se és pobre e desempregado, há gentalha que te trata abaixo de cão, mas se tens ar de ser rico, bem sucedido, com canudo e tal, o caso muda de figura, é só salamaleques! Mas a verdade é que às vezes as aparências iludem, porque neste momento há prái muita gente dando-se grandes ares, mas está mais crivado de dívidas que muito pobre desempregado... :P

Mas que é preciso pachorra, lá isso também é verdade! :)

Beijocas!

paulofski disse...

Com incompetentes e mal educados infelizmente nos deparamos até quando menos se espera. Mas não deveria ser assim o que será, creio crer, alguma excepção. Estou certo que tem também algo a ver com a falta de formação profissional de certos serviços, públicos ou privados, tanto faz, e a falta de sensibilidade das chefias que coordenam, pois vê-se claramente que tem um desajustado perfil para a função.

Theomentos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Theomentos disse...

Olha nem ia comentar mas não posso deixar de o fazer visto que fostes ao meu país, sim pq o consulado são 20 metros quadrados de Brasil em Portugal, e foste tão mal tratado. Não sabia que haviam lá portugueses a trabalhar, e depois é claro, devem ter pensado que eram brasileiro e imigrante, pobre das pessoas que andam por aí a tentar a sorte... E por fim ainda quase foste assaltado pelo absurdo que queriam cobrar pelo reconhecimento das assinaturas, este meu país..

ψ Psimento ψ disse...

Francisco: Era, falta de formação eheheh

KarenB: Eheheh adorei a parte da anedota. Quanto à situação que me aconteceu também só dá para me rir neste momento.

Teté: Concordo perfeitamente e tirarmos conclusões só através da aparência de alguém é sempre muito arriscado.

paulofski: Falta de formação profissional e pessoal também!!

Theo: Hmm tenho ideia que quando lá fomos os dois, quem nos atendeu era portuguesa.

Cumprimentos a todos