sábado, 12 de junho de 2010

Marvel Girl


Rachel Anne Grey Summers é proveniente de um futuro que já não virá a concretizar-se, sendo filha do Cyclops e da Jean Grey. Neste futuro, um grupo de mutantes terroristas havia assassinado o Senador Kelly o que levou à criação de um projecto chamado Mutant Registration Act que obrigava todos os mutantes a entregarem-se ao governo e colocados em campos de concentração sendo que os que ofereciam resistência eram exterminados por gigantescos robots chamados Sentinelas. Nesta altura quase todos os X-Men haviam sido dizimados e os poucos mutantes que restavam tinham de arranjar uma solução se queriam que a sua espécie prevalecesse. Após uma série de eventos, Rachel arranjou maneira de viajar para o presente e juntamente que os X-Men preveniu o assassinato do Senador Kelly evitando que o seu futuro viesse a acontecer mas ficando aprisionada numa época que não era a sua.
Desde então, Rachel tem permanecido com os X-Men sendo que normalmente se alia a pequenas subdivisões da equipa original criando grupos específicos que acabam por ter as suas próprias BDs e aparecendo mais raramente nas BDs dos X-Men. Tal como a sua mãe, Rachel é portadora da força cósmica da Fénix embora, com um poder muito mais reduzido o que lhe permite um controlo bem mais eficaz ao contrário de Jean Grey que frequentemente fica possuída pela Fénix destruído tudo à sua passagem. Temendo o poder da Fénix, uma equipa de alienígenas Shi’ar foram enviados à Terra e assassinaram todos os membros próximos e afastados da família Grey, deixando Rachel, devido à intervenção dos restantes X-Men, como única sobrevivente mas conseguido marca-la como uma tatuagem gigantesca nas costas que permitirá mantê-la sempre localizável.
Actualmente, encontrava-se com um pequeno grupo de X-Men no espaço que incluía também a Polaris e o seu “tio” Havok. Os três juntaram-se a uns velhos aliados seus chamados Starjammers e combateram contra Vulcan naquela que ficou conhecida como a War of Kings e que em muito me fez lembrar o velho Star Wars. Durante a guerra, Rachel conheceu um alienígena Shi’ar chamado Korvus e os dois iniciaram uma relação.
A última vez que ouvimos falar de Rachel, Korvus, Polaris e Havok foi pela voz de um dos Starjammers, quando a guerra terminou, que informou os restantes colegas que os quatro X-Men haviam partido de volta para a Terra…

Poderes: Tal como a sua mãe, Rachel é uma telepata, o que significa que consegue ler pensamentos e controlar a vontade dos outros, entre outras habilidades. Rachel tem também poderes Telecineticos o que significa, de modo simplista, que é capaz de mover objectos com a mente. Como controladora de uma percentagem da força da Fénix, a personagem tem os seus poderes aumentados de forma drástica. Contudo, recentemente e por razões ainda não explicadas, a força da Fénix abandonou por completo o seu corpo.

Esta personagem não aparece em nenhuma das adaptações ao cinema até ao momento. Pessoalmente, uma vez que já existe a Jean Grey que tem os mesmos poderes, uma aparência semelhante e muito mais carisma, vejo a Rachel como uma personagem meio redundante e desnecessária.

6 comentários:

Theo.. disse...

Não sei nada sobre esse mundo BDista, podem estar a tentar renovar a frota, visto que esses X-MEN estão aí a muito tempo e em algum momento devem morrer, criar uma filha, com os mesmo poderes poderia ser uma forma de manter a espécie (não lembro ond mais isso acontece :P), porém esses gajos estão mesmo a muito tempo nas Bds e é provável que tenham um público formado e aficcionado que não gostaria de vê-los substituídos por qualquer um, de qualquer forma mantê-la junda com a mãe é como tu mesmo disseste uma redundância e sem sentido. Gosto destes poderes também não ficava triste de os ter :D

Rafeiro Perfumado disse...

Aquela mini-saia não deveria dar grande jeito em combate. Mas fica-lhe a matar!

X disse...

O problema da Rachel é o seguinte: ela foi criada como uma homenagem à Jean Grey e uma forma de a manter, pelo menos em parte vida, depois da sua morte. Quando o Claremont a criou ele não esperava que a Jean fosse ressuscitada. Mas poucos anos depois, e contra o que Claremont defendia, ela voltou e a Rachel, tornou-se de facto, redundante.
Por isso confesso que não gostava muito dela.
Depois do regresso da mãe ela foi banida para o Excalibur, a equipa mutante inglesa. Quando tentaram aproximar o Excalibur dos X-Men, (que nos primeiros 69 números foi um x-título marginal) começando a juntá-los nos rentáveis x-crossovers a Rachel tornou-se uma pedra no sapato dos x-escritores. Foi então banida para o futuro.
Confesso que depois do regresso de Claremont aos X-men depois de 17 anos da ausência e com a história "The End of Greys" ele conseguiu tornar a personagem mais interessante. E depois o Claremont deixou novamente os X-Men e ela foi para o espaço.
Com a Hope Summers que parece ser uma Jean ressuscitada e que também andou a passear pelo futuro parece-me que vamos voltar a ter uma Rachel redundante. Vamos ver como os x-escritores descalçam esta bota.
Adorei!!!! Já não me lembrava que o nome do meio dela era Anne!
Abraço

Esmeralda disse...

k nice..tnh uma filha e ngm m diz...pelo menos continuei com o meu corpo de boazona :)
e axo mt bm k os poderes dela sejam mais reduzidos..há k ter respeito pela mamâ..
fora ixo, ate k gostei desta nova personagem...

So disse...

Nao a conheço mt bem, mas na realidade tb n lhe acho grande piada, tendo em conta que adquire pouca importância comparada com a mae. mas pronto venho so dizer que já estas novamente atrasado =)

Teté disse...

Não conheço nada disto! Daí não poder comentar... ;)

Beijinhos!